Consulado Geral do Panamá

Galeria / Notícias 

Home
Serviços Consulares
   Serviços Marítimos 
   Serviços Gerais
Agenda de Eventos 
Galeria / Notícias
Links
Contato

Magistrados do Panamá visitam o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro

 

Rio de Janeiro, 22 de setembro de 2006

O Tribunal de Justiça do Rio recebeu no dia 22 de setembro, pela manhã, a visita da presidente da Corte Suprema de Justiça do Panamá, Graciela Josefina Dixon Caton, e de uma comissão de magistrados panamenhos. O objetivo do encontro, organizado pela Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, com apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, foi mostrar as práticas na área de modernização de gestão e informatização do Tribunal, além de conhecer as iniciativas do Judiciário panamenho.

A desembargadora Ana Maria Oliveira; os juízes Flávio Citro Viera de Mello e José Guilherme Vasi Wener e o diretor geral de Apoio aos Órgãos Jurisdicionais do Tribunal, Anízio Ferreira Camacho, mostraram aos magistrados panamenhos como é realizado o trabalho da Comissão de Apoio à Qualidade - Comaq, que faz a aferição de produtividade dos magistrados do TJRJ. "A principal missão da comissão é fazer uma análise dos órgãos jurisdicionais e sugerir à direção do Tribunal medidas para melhorar o desempenho dos juízes que estejam abaixo da média de produtividade", explicou o juiz Vasi Werner aos magistrados.

No final da visita, os magistrados panamenhos foram conhecer o Expressinho da Telemar, no 4º andar do Fórum Central, e o juiz Flávio Citro explicou como eles funcionam. "A empresa que tem o interesse de diminuir a quantidade de processos contra ela disponibiliza os equipamentos e um preposto vem ao Expressinho para propor um acordo à parte que, se for aceito, é homologado na mesma hora pelo juiz. Se o acordo não for cumprido, entra-se com um processo de Execução contra a empresa", explicou o juiz.

A presidente da Corte Suprema de Justiça do Panamá, Graciela Dixon, explicou que no Panamá a aferição de produtividade dos juízes ainda é feita manualmente, com o envio de relatórios para os setores que fazem a estatística. "Estamos sentindo a necessidade de implantar a digitalização dos processos, pois no Panamá, diferente do Brasil, há uma uniformização do sistema em todos os estados, o que aumentaria ainda mais os benefícios da informatização", afirmou a presidente panamenha.

Participaram também da visita o magistrado da Segunda Sala Penal da Corte Suprema de Justiça do Panamá, Aníbal Raúl Salas Céspedes; o secretário técnico de Modernização e Desenvolvimento Institucional da Corte Suprema de Justiça, o engenheiro Edgar Ariel Rodriguez Salazar; a magistrada Aída J. Jurado Zamora, integrante da Aliança Cidadã Pro-Justiça; a assessora jurídica da Secretaria de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça do Brasil, Débora Gregório de Souza Piano e a Consulesa Geral da República do Panamá no Rio de Janeiro, Glorisabel Garrido Thompson-Flôres.